fbpx

O Arauto Brasileiro

O jornal da família tradicional brasileira

Estado de direito ou barbárie? A Revolução de 1932 ainda não acabou…

4 min read
Qual a diferença exata entre ser um "revolucionário de tapete de cobertura" e um homem lutando pelos valores e ideais em que acredita?

por Rodrigo Constantino

A prisão dos “ativistas” ligados aos black blocs e as evidências de que sindicatos e até partidos possam estar por trás do financiamento desses criminosos reacende o debate sobre Estado de direito no país. A deputada estadual Janira Rocha, do PSOL, chegou a usar carro oficial para ajudar na fuga de foragidos e depois defendeu sua atitude, como se fosse a coisa mais natural do mundo. A lei tem pouco valor por aqui. A quebra de decoro parlamentar ocorre à luz do dia. Governantes defendem o banditismo como se não fosse nada demais.

Tudo isso vai contra a ideia de império das leis isonômicas, objetivo de qualquer sociedade civilizada, que substitui o tribalismo e a pessoalidade das regras pela impessoalidade que coloca todos igualmente sujeitos às mesmas normas e leis. Em artigo publicado hoje no Estadão, Fernão Lara Mesquita relembra a Revolução Constitucionalista de 1932, para combater justamente a bagunça legal que reina no Brasil. Ele pergunta se o país pretende adotar o Estado de direito ou alguma variação do velho caudilhismo populista. A escolha é entre a civilização e a barbárie.

No primeiro modelo, há meritocracia, e é o trabalho e a dedicação, com pitadas de sorte, que determinam o resultado. No segundo, predomina a cooptação e a cumplicidade, sendo a corrupção e a “amizade com o rei” os caminhos mais seguros para o “sucesso”. No primeiro, temos um governo descentralizado, que não asfixia as liberdades individuais. No segundo, um governo central extremamente poderoso, com enorme escopo e poder arbitrário. No primeiro, há separação clara entre poderes. No segundo, tudo misturado.

previous arrow
next arrow
Slider

Mesquita traça um paralelo entre Getúlio e Lula, afirmando que ambos traíram a “ética na política”. Fizeram de tudo para se perpetuar no poder. Ele compara também a reação de Getúlio ao “fechar” o país e adotar uma ditadura com o Decreto 8.243 de Dilma, que tenta substituir o poder do Congresso, ícone da democracia representativa. Getúlio fechou o Congresso; o PT subornou o Congresso e agora quer substituí-lo pelos “movimentos sociais”, que controla. O aparelhamento da máquina estatal, inclusive no poder Judiciário, mostra até onde vai o plano de poder do PT.

Por fim, Mesquita lembra que São Paulo resistiu quase sozinho aos avanços de Getúlio, e que agora, uma vez mais, resiste praticamente só contra o projeto lulopetista com viés bolivariano. Ou seja, a luta iniciada em 1932 ainda não acabou. O Brasil, afinal, é uma República inacabada, muito distante do ideal iluminista (da linhagem anglo-saxônica). Ainda não conseguimos deixar para trás o ranço tribal, o forte domínio dos caudilhos populistas. Precisamos escolher em outubro: Estado de direito ou barbárie?

P.S.: Enquanto em São Paulo Geraldo Alckmin, do PSDB, deve ser reeleito no primeiro turno, no Rio Garotinho lidera a corrida. Isso reforça a tese de que o paulista é mais sério e o carioca, “malandro”. Claro que é uma generalização e, portanto, um pouco caricata. Mas faz sentido quando pensamos nas características típicas do “carioca malandro”, um simpático boa-vida, piadista, preguiçoso, que gosta de samba e chope, praia e carnaval, enquanto o paulista seria mais sério e trabalhador. O carioca seria o “coração”, e o paulista o “cérebro”, que “carrega o país nas costas”. Está na hora de o carioca pensar mais do que deixar se levar pelas emoções tribais…

Se gostarem, compartilhem e divulguem nosso jornal, as nossas páginas e/ou perfis nas redes sociais:

Facebook GAB Instagram LinkedIn Minds Parler Telegram Tumblr Twitter WhatsApp YouTube

Para aqueles que quiserem contribuir com o nosso modesto jornal, dispondo de algum capital para financiar-nos, cliquem no link abaixo e conheçam melhor o nosso projeto de mídia independente de jornalismo e informação.

Invista já no Arauto Brasileiro e fique sempre bem informado!

E não deixem de divulgar nossas redes sociais a outros amigos leitores e seguidores e para o maior número possível de pessoas, e sobre o nosso jornal online! Se inscrevam em nosso canal no YouTube, cliquem no sininho para continuarem a receber novidades sobre vídeos publicados no canal e curtam os vídeos para aumentar a nossa visibilidade e relevância na internet!

E sigam sempre as nossas publicações em nossas redes sociais oficiais!

Para aqueles que quiserem realizar denúncias, fazerem reclamações, elogios, sugestões, ou ainda, quaisquer outras solicitações ao nosso jornal, basta clicarem nos links abaixo, que lhes dará acesso aos respectivos formulários, contribuindo para melhorarmos ainda mais o nosso projeto de mídia independente.

Editor-Chefe
Autor(a): Editor-Chefe

Perfil institucional do Editor-Chefe d'O Arauto Brasileiro, o jornal da família tradicional brasileira, criado para ser o suporte informacional e de mídia do ativismo conservador brasileiro.