fbpx

O Arauto Brasileiro

O jornal da família tradicional brasileira

Manifestante ferida em ato contra Michel Temer em SP, alega que perdeu a visão do olho esquerdo em confronto com a PM

Deborah Fabri foi atingida no olho na noite desta quarta. Protesto teve fotógrafos detidos e confronto com a Polícia Militar.

Jovem (supostamente) atingida por bala de borracha no rosto durante protestos contra o presidente Michel Temer em São Paulo (SP), nesta quarta-feira (31). Concentração na região da Avenida Paulista. Em alguns locais houve confronto de manifestantes com policiais. (Foto: Jefferson Ricardo/Futura Press/Folhapress)

A manifestante Deborah Fabri, 19 anos, ferida por bomba da Polícia Militar na manifestação contra o governo Michel Temer na noite desta quarta-feira (31) no Centro de São Paulo, disse que perdeu a visão do olho esquerdo. A jovem postou em uma rede social a mensagem:

Oi pessoal estou saindo do hospital agora. Sofri uma lesão e perdi a visão do olho esquerdo mas estou bem. Obrigada pelas mensagens e apoio logo logo respondo todos!!!.

Ao menos 20 mil pessoas participaram do ato, segundo a Frente Brasil Popular e a CUT. A PM não divulgou números.

Deborah foi ferida na noite desta quarta e levada para o Hospital das Clínicas, onde passou por exames. Depois recebeu atendimento no Hospital de Olhos, no Paraíso, de onde saiu no final da manhã desta quinta.

O Hospital de Olhos informou em boletim médico que a paciente “foi internada em nosso serviço às 2h37 do dia 1º de setembro de 2016, com trauma na região da face, escoriações nas pálpebras e região malar esquerda, e lesão perfuro contusa no olho esquerdo“. Deborah passou por cirurgia de urgência. O hospital também disse que “por ser tratar de um procedimento de alta complexidade oftalmológica, o prognóstico requer cuidados especiais“.

O Doutor William Fidelix, diretor operacional do hospital, explicou que “pela extensão das lesões, o prognóstico visual é bastante reservado, bem grave. As chances são pequenas para recuperação da visão”.

14184490_400468006743749_3236132516085482453_n
14203282_400467960077087_798294257688108928_n
14184375_400467990077084_6382940011709146561_n
14222122_400468043410412_3328373814346415341_n
14102186_400467926743757_1990788650951476058_n
14100384_400467950077088_6135656649342221462_n
16245404
14222361_400467910077092_4405033943120822066_n
deborah_fabri
Protesto contra Michel Temer
previous arrow
next arrow

Testemunhas que socorreram a jovem relataram nas redes sociais que ela foi atingida pela Polícia Militar – ou por estilhaços de bombas lançadas pelos policiais ou por bala de borracha. Procurada, a Secretaria da Segurança não se posicionou.

O Levante Popular da Juventude, movimento do qual Deborah faz parte, divulgou uma nota que diz: “não descansaremos até que os responsáveis sejam punidos e ela disponha de toda a assistência necessária“. O texto ainda diz que o movimento tomará “todas as medidas judiciais e políticas cabíveis“.

Além dela, uma jovem foi atropelada durante o protesto. Há relatos de mais feridos nas redes sociais.

Segundo a página de mídia independente Jornalistas Livres, ela foi atingida por um estilhaço de bomba no olho. Os óculos que a estudante usava no momento do ataque foram dilacerados.

Ela disse à equipe da página:

Perdi meu olho, meu olho não está aqui. 

Conforme informes oficiais, ela foi socorrida e levada para o Hospital das Clínicas, e de lá encaminhada para o Hospital dos Olhos, no Paraíso. Ainda de acordo com as informações oficiais, ela teve alta nesta manhã.

O protesto na capital paulista contra o presidente Michel Temer terminou com repressão, bombas da PM e quebra-quebra.

A manifestação teve início por volta das 20:00h na Avenida Paulista, de onde seguiu para a Rua da Consolação. A PM disparou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar a multidão na altura da Rua Caio Prado.

Um vídeo divulgado nas redes sociais mostra o momento que os artefatos são disparados na direção dos manifestantes.

Dois fotógrafos que foram detidos durante a manifestação contra o presidente Michel Temer na noite desta quarta foram liberados no início da manhã desta quinta-feira (1º). Um deles teve o equipamento completamente destruído pelos policiais militares.

Segundo colegas dos fotógrafos entrevistados pela grande mídia, não houve motivos para a detenção, e a polícia agrediu os dois enquanto trabalhavam.

A Secretaria da Segurança Pública afirmou que os PMs “que conduziram os fotógrafos relataram que eles estariam atirando pedras contra a tropa. Por sua vez, um dos fotógrafos denunciou que foi agredido. Foi solicitado o exame de corpo de delito. Eles foram liberados em seguida. A PM apurará as circunstâncias da ocorrência”, diz nota. Eles não foram autuados.

Ouvidoria exige apuração

A Ouvidoria da Polícia de São Paulo informou que pedirá para o Ministério Público (MP) apurar a ação da Polícia Militar (PM) que deixou uma manifestante cega do olho esquerdo no protesto anti-impeachment, nesta quarta-feira.

A Ouvidoria também irá acionar a Secretaria da Segurança Pública (SSP) e a Corregedoria da PM para investigar a conduta dos policiais por suspeita de terem cometido excessos. Vídeos e fotos circulam na internet mostrando pessoas feridas. Houve confronto entre policiais e manifestantes durante a caminhada do grupo contrário ao governo de Michel Temer (PMDB).

O ouvidor Julio Cesar Fernandes Neves, disse em entrevista nesta quinta-feira (1º):

O fato dessa jovem perder a visão demonstra que houve excesso por parte da PM. Vou acionar o Ministério Público para pedir que apure o crime de lesão corporal de natureza gravíssima cometido por policiais contra essa garota. É preciso identificar o responsável por isso.

Nota do Editor

O Arauto Brasileiro apenas reproduz os materiais obtidos (textos, vídeos e imagens de terceiros) nas pesquisas para a composição das matérias, sem tomar partido, privilegiar ou favorecer qualquer visão ideológica. Nossa missão aqui é informar e apresentar a verdade dos fatos conforme eles se apresentam, sem tomar partidos.

Não obstante isso, temos de discordar da visão “romantizada” de que pessoas foram vitimadas em função de excessos e truculências das autoridades de segurança durante os fatos ocorridos. Houveram feridos em ambos os lados, e nesse caso, vale o adágio popular: Diga-me com quem andas e te diremos quem vós sois…

Se os vitimados não concordam com atos de violência, não deveriam permitir em sua companhia, pessoas dispostas a atos de violência. Dito isto, informamos lamentar muito pelos excessos cometidos nesta GLO (Garantia da Lei e da Ordem), mas os policiais militares estavam apenas cumprindo as funções para as quais eles são contratados: garantir a ordem pública, a preservação de patrimônio (público e/ou privado) e a proteção dos cidadãos de bem.

Infelizmente, sempre haverá vítimas no fogo cruzado dos confrontos, enquanto houverem pessoas incapazes de discernirem que devem se apartar daqueles cidadãos dispostos a tudo, inclusive a atos extremistas de desobediência civil para depois não se haver a necessidade de reparações por danos pessoais e/ou morais/materiais. Protestar pacificamente contra aquilo que nos desagrada é um ato máximo de liberdade de expressão.

Fazer de qualquer outra forma, envolvendo violência e vandalismo, não passa de um ato de sedição, de terrorismo, vandalismo ou de revolução contra a ordem e o status quo estabelecido, os quais abominamos. Em outras palavras, trata-se de um ato de guerra! E será tratado sempre de acordo. E como somos um veículo que se pauta pela defesa da ordem, da lei, dos valores conservadores e da preservação da pátria, estaremos sempre desse lado do Rubicão!

Se gostarem, compartilhem e divulguem nosso jornal, as nossas páginas e/ou perfis nas redes sociais:

Facebook Gab Gettr Instagram LinkedIn Minds Parler Telegram Tumblr Twitter WhatsApp YouTube

Para aqueles que quiserem contribuir com o nosso modesto jornal, dispondo de algum capital para financiar-nos, cliquem no link abaixo e conheçam melhor o nosso projeto de mídia independente de jornalismo e informação.

Invista já no Arauto Brasileiro e fique sempre bem informado!

E não deixem de divulgar nossas redes sociais a outros amigos leitores e seguidores e para o maior número possível de pessoas, e sobre o nosso jornal online! Se inscrevam em nosso canal no YouTube, cliquem no sininho para continuarem a receber novidades sobre vídeos publicados no canal e curtam os vídeos para aumentar a nossa visibilidade e relevância na internet!

E sigam sempre as nossas publicações em nossas redes sociais oficiais!

Para aqueles que quiserem realizar denúncias, fazerem reclamações, elogios, sugestões, ou ainda, quaisquer outras solicitações ao nosso jornal, basta clicarem nos links abaixo, que lhes dará acesso aos respectivos formulários, contribuindo para melhorarmos ainda mais o nosso projeto de mídia independente.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação
Roberto Mayrink
Autor(a): Roberto Mayrink

Engenheiro, escritor e pesquisador autodidata. Criador de vários websites. Analista político. Conservador e monarquista. Estudioso de História, Genealogia, Heráldica e outras ciências relacionadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.