fbpx

O Arauto Brasileiro

O jornal da família tradicional brasileira

Ataques de militantes marxistas aos Círculos Monarquistas

Seria devido a uma absoluta desinformação de supostos acadêmicos de esquerda ou é apenas a demonstração obscurantismo malicioso de gente incapaz de discernir os contos da carochinha esquerdista da realidade circundante?

Aproveitando o momento, publicamos com muito gosto, uma postagem retirada do próprio site e página oficiais da causa da restauração da monarquia brasileira (Casa Imperial do Brasil), a qual explica para as pobres mentes iludidas e mal informadas, que volta e meia, espezinham com ideias toscas e pré-concebidas, baseadas em sabe-se lá quais falácias forem, sobre as intenções dúbias (estas sempre dúbias e secundárias, nessas cabecinhas maledicentes e mal intencionadas desses senhores e senhoras), sobre as intenções de obtenção de favores e títulos de nobreza a serem (especulativamente falando) concedidas aos que se empenharem na luta pela restauração monárquica.

Como monarquistas que somos desde sempre, nos sentimos enojados e com sentimentos de absoluta repulsa por tal ordem de pensamento, mas a qual reconheço como fruto da mentalidade hipócrita e medíocre, não sendo oriunda nem da população mediana e educada de fato do nosso país, nem da maioria de nosso povo trabalhador, humilde e honesto, mas infelizmente esta sim, vinda de uma ralé desprezível, de uma casta de seres academicistas elitistas, tomados pelos sentimentos mais mesquinhos, torpes e repugnantes, filha dileta daqueles que gostam de viver aboletados às custas de um Estado Grande, de um estamento burocrático emperrado e nepotista; essa coisa típica de “pessoas pequeno-burguesas” que julgam aos seus demais adversários de pensamento e de ideologia, pela mesma régua moral com que se medem, esta feita, em função de sua própria pequenez de espírito e baixa estatura moral, e que vegeta à mercê da canalhada sicofanta esquerdista marxista a qual representam.

Mas deixemos de tanta indignação com tal falta de moral, de ética e de civismo e que nos dediquemos ao texto que segue:

NOTA ACERCA DOS TÍTULOS NOBILIÁRQUICOS

O Príncipe D. Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, vem acompanhando com grande alegria o significativo crescimento das fileiras monárquicas, sobretudo por parte de jovens compatriotas que não tinham idade, quando ocorreu o plebiscito de 1993, para participar dos debates que então se realizaram. São na maioria estudantes, rapazes e moças, provenientes de todos os Estados brasileiros e pertencentes às mais diversas classes sociais. Sendo os ideais monárquicos por sua própria natureza atemporais e de permanente atualidade, é muito auspiciosa e enche de esperança a participação de tantos jovens.

Entre esses jovens que vêm enriquecer nossas fileiras, encontram-se por vezes nomes bem conhecidos na História pátria. São membros de famílias tradicionais, descendentes de personagens que, no Império, exerceram funções de relevo e até receberam títulos de nobreza de nossos Imperadores. Muitas dessas famílias mantiveram ao longo das gerações, mesmo depois de proclamada a república, fidelidade ao ideário monárquico e cultivaram relações com a Família Imperial. É, portanto, motivo de especial comprazimento para D. Luiz a participação em nosso movimento de descendentes dessas famílias, tão dignas da gratidão e da simpatia do Chefe da Casa Imperial do Brasil.

Há quem pergunte, e até com insistência, quais as intenções do Príncipe com relação à antiga Nobreza do Império. É sua intenção reconhecer ou revalidar antigos títulos e cartas de brasão?

Como esse tema é de interesse recorrente, D. Luiz pede que tornemos público o que invariavelmente declarou sempre que foi consultado a respeito.

Mantendo a mesma linha de conduta seguida desde 1889 pelos sucessivos Chefes da Casa Imperial do Brasil – D. Pedro II (1889-1891), Princesa Isabel (1891-1921) e D. Pedro Henrique (1921-1981) – D. Luiz nunca quis conceder, reconhecer ou revalidar títulos e cartas de brasão, e jamais autorizou que quaisquer pessoas ou entidades usassem o nome ou o prestígio da Família Imperial do Brasil para tal finalidade.

Entende S. Alteza que o maior título de glória dos brasileiros que portam sobrenomes ilustres é portá-los com a plena consciência de estarem cumprindo seu dever, em relação aos nossos ideais, em relação à Pátria e em relação aos ilustres antepassados dos quais provêm.

Mais ainda, entende D. Luiz que se aplicam a esses brasileiros, mutatis mutandis, servatis servandis, as mesmas graves obrigações morais que têm os nobres em geral e os príncipes em particular: mais do que direitos e regalias a serem fruídos, Principado e Nobreza significam responsabilidade e implicam em graves deveres. Esse o significado maior da nobreza, que requer espírito de renúncia e sacrifício, a ponto de o Papa Bento XV ter chegado a designar a condição de nobre como análoga à do sacerdote (Alocução ao Patriciado e à Nobreza Romana, 5 de janeiro de 1920).

Quando, num futuro que praza a Deus não esteja distante, o Brasil retome seu itinerário histórico restaurando a Monarquia, será então a hora aprazada para, de acordo com a legislação que então tiver vigência, serem recompensadas dedicações históricas de pessoas e famílias que com total desinteresse tiveram o mérito de uma prolongada e comprovada fidelidade aos nossos ideais. Antes disso, não teria sentido falar em recompensas, reconhecimentos ou concessões de títulos nobiliárquicos.

São Paulo, 15 de janeiro de 2018

José Guilherme Beccari
Presidente da Pró Monarquia

O texto acima foi retirado diretamente e sem alterações do site Pró-Monarquia – Casa Imperial do Brasil, sendo a autoria do mesmo da responsabilidade de quem publica e administra o site.

O mesmo texto acima também pode ser encontrado na página oficial do Movimento Pró-Monarquia no Facebook, como visto abaixo:

Para aqueles que quiserem saciar sua curiosidade acerca de títulos de nobreza, em especial da nobreza brasileira, recomendamos começar a pesquisa pelo verbete Nobreza do Império do Brasil, online na Wikipedia. Conforme o tempo nos permita e o interesse justifique estaremos abordando o tema mais amiúde por aqui!

Se gostarem, compartilhem e divulguem nosso jornal, as nossas páginas e/ou perfis nas redes sociais:

Facebook Gab Gettr Instagram LinkedIn Minds Parler Telegram Tumblr Twitter WhatsApp YouTube

Para aqueles que quiserem contribuir com o nosso modesto jornal, dispondo de algum capital para financiar-nos, cliquem no link abaixo e conheçam melhor o nosso projeto de mídia independente de jornalismo e informação.

Invista já no Arauto Brasileiro e fique sempre bem informado!

E não deixem de divulgar nossas redes sociais a outros amigos leitores e seguidores e para o maior número possível de pessoas, e sobre o nosso jornal online! Se inscrevam em nosso canal no YouTube, cliquem no sininho para continuarem a receber novidades sobre vídeos publicados no canal e curtam os vídeos para aumentar a nossa visibilidade e relevância na internet!

E sigam sempre as nossas publicações em nossas redes sociais oficiais!

Para aqueles que quiserem realizar denúncias, fazerem reclamações, elogios, sugestões, ou ainda, quaisquer outras solicitações ao nosso jornal, basta clicarem nos links abaixo, que lhes dará acesso aos respectivos formulários, contribuindo para melhorarmos ainda mais o nosso projeto de mídia independente.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação
Editor-Chefe
Autor(a): Editor-Chefe

Perfil institucional do Editor-Chefe d'O Arauto Brasileiro, o jornal da família tradicional brasileira, criado para ser o suporte informacional e de mídia do ativismo conservador brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.