fbpx

O Arauto Brasileiro

O jornal da família tradicional brasileira

Aumento do diesel e a fúria de caminhoneiros no país, mas sem sinal de greve

Paralisação em todo o país estava marcada para o dia 21 de maio, mas, com o reajuste do combustível, categoria promete antecipar movimento

SÃO PAULO (Reuters/Investing) – A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (ABCAM) afirmou nesta quinta-feira que os caminhoneiros autônomos ficaram “furiosos” com o anúncio de aumento do preço do diesel, feito na véspera pela Petrobras (SA:PETR4), mas sinalizou que por enquanto não há planos de um greve da categoria.

A entidade, que afirma representar 600 mil caminhoneiros autônomos do país, reconheceu que o governo federal tem feito esforços para atender algumas reivindicações desses profissionais, mas disse que os maiores problemas seguem sem solução: o cumprimento da tabela mínima de frete e a oscilação do preço do diesel.

A ABCAM afirmou em nota:

O anúncio feito pela Petrobras na quarta-feira gerou grande impacto no custo suportado pelos caminhoneiros, que estão enfurecidos com a notícia do aumento de dez centavos do diesel.

Eles acrescentaram:

É grande o número de queixas recebidas pela ABCAM, tanto por telefone, quanto em suas redes sociais. Entretanto, ainda não é possível afirmar que a categoria está se organizando para uma nova paralisação.

16setembrocaminhoneiros
514003_1000
download
filmes-caminhoneiros
Greve-dos-caminhoneiros-so-vira-se-houver-mais-alt0293823100201912160826
protesto-caminhoneiros-dia-4-5-
TRANSPORTE-DE-CARGAS-1024x640
previous arrow
next arrow

A Petrobras anunciou na véspera um aumento de 4,8 por cento no preço médio do diesel em suas refinarias, após ter cancelado uma alta de 5,7 por cento no combustível na semana passada, em polêmica que envolveu o presidente Jair Bolsonaro.

A estatal voltou atrás em na elevação do diesel na semana passada após Bolsonaro ter pedido à companhia uma explicação sobre os preços, o que provocou forte queda das ações da empresa na bolsa.

O governo admitiu que a decisão de Bolsonaro se baseou nos riscos de uma nova greve dos caminhoneiros, como a que paralisou o país no primeiro semestre de 2018.

Segundo a ABCAM, a falta de estabilidade dos preços dos combustíveis é um dos grandes empecilhos para os caminhoneiros, que têm como principal fonte de despesa o combustível.

A entidade acrescentou ainda:

“Espera-se que não seja necessário chegar uma nova e traumática paralisação”.

Se gostarem, compartilhem e divulguem nosso jornal, as nossas páginas e/ou perfis nas redes sociais:

Facebook Gab Gettr Instagram LinkedIn Minds Parler Telegram Tumblr Twitter WhatsApp YouTube

Para aqueles que quiserem contribuir com o nosso modesto jornal, dispondo de algum capital para financiar-nos, cliquem no link abaixo e conheçam melhor o nosso projeto de mídia independente de jornalismo e informação.

Invista já no Arauto Brasileiro e fique sempre bem informado!

E não deixem de divulgar nossas redes sociais a outros amigos leitores e seguidores e para o maior número possível de pessoas, e sobre o nosso jornal online! Se inscrevam em nosso canal no YouTube, cliquem no sininho para continuarem a receber novidades sobre vídeos publicados no canal e curtam os vídeos para aumentar a nossa visibilidade e relevância na internet!

E sigam sempre as nossas publicações em nossas redes sociais oficiais!

Para aqueles que quiserem realizar denúncias, fazerem reclamações, elogios, sugestões, ou ainda, quaisquer outras solicitações ao nosso jornal, basta clicarem nos links abaixo, que lhes dará acesso aos respectivos formulários, contribuindo para melhorarmos ainda mais o nosso projeto de mídia independente.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação
Roberto Mayrink
Autor(a): Roberto Mayrink

Engenheiro, escritor e pesquisador autodidata. Criador de vários websites. Analista político. Conservador e monarquista. Estudioso de História, Genealogia, Heráldica e outras ciências relacionadas.