fbpx

O Arauto Brasileiro

O jornal da família tradicional brasileira

Até quando o mundo será tolerante com o comunismo?

Enquanto forçam diversos enquadramentos e perseguições públicas contra líderes com grande apelo e forte apoio popular na grande mídia e nas redes sociais, ditadores esquerdistas apoiados por ideólogos e simpatizantes da new left gourmet tem as suas ações incensadas e protegidas por essa mesma grande mídia e através das mesmas redes sociais que censuram vozes conservadoras. Porque isso ocorre?

por João Cesar de Melo

Gazeta do Povo (Curitiba/Paraná) – Enquanto o mundo está em pânico por causa da pandemia, os Estados Unidos e a União Europeia costuram um acordo para anistiar Nicolás Maduro. A denúncia contra o venezuelano por tráfico internacional de drogas foi apenas um artifício para forçá-lo a aceitar o acordo.

Na última semana de março, o governo americano propôs um fim “pacífico e democrático” para a “crise” na Venezuela, com o afastamento do atual ditador comunista e também, pasme, de Juan Guaidó, o presidente reconhecido pela comunidade internacional, mas que não goza de qualquer poder naquele país. Muito pelo contrário. Já foi preso e torturado. Tem sua vida em constante risco.

Isso significa que mais um comunista assassino está prestes a ser perdoado e o seu principal opositor, punido!

Ao final da URSS, não houve um tribunal para julgar os crimes dos comunistas. O atual presidente russo é um ex-chefe da KGB. Comunistas assassinos continuam controlando Cuba. Apesar de terem provocado um conflito que levou à morte 260 mil pessoas, os comunistas das FARC foram anistiados. A Coreia do Norte continua de pé, massacrando seu povo e zombando do mundo.

Mesmo que esse acordo com Nicolás Maduro não seja concretizado, ele abre caminho para outro, ainda mais benevolente com o comunista que jogou a Venezuela na miséria e assassinou milhares de cidadãos comuns.

Consigo ouvir daqui a barganha do ditador, exigindo perdão e compensações para deixar o poder. Mas ele só faz isso porque o mundo concede esse direito aos comunistas.

Creio que ninguém acha que chinês é burro, muito menos aqueles que conseguiram se manter no poder mesmo depois de terem levado mais de 60 milhões de cidadãos à morte.

Diante disso, afirmo que não é nenhum delírio “conspiracionista” visualizar os membros do Partido Comunista Chinês, em dezembro do ano passado, sentados ao redor de uma mesa discutindo o que fazer diante das notícias da epidemia; e, dentre eles, alguém propondo deixar o vírus circular pelo mundo para causar o pânico, destruir mercados e antecipar o plano de expansão da influência do regime no ocidente.

A União Soviética manteve seu povo na miséria para se projetar como potência militar e espacial.

Logo que tomaram o poder em Cuba, uma das primeiras providências dos comunistas foi provocar um conflito militar com os Estados Unidos. Fidel e seus companheiros estavam dispostos a sacrificar a vida de grande parte dos cubanos para construir a narrativa de que eles, “anjos da paz”, estavam sendo agredidos.

Noutros artigos, listei os principais horrores dos comunistas, tendo em comum a completa indiferença para com o bem-estar das pessoas.

Portanto, não é nenhum absurdo imaginar que o Partido Comunista da China tenha calculado que os lucros econômicos e geopolíticos que teriam com a disseminação da pandemia justificaria a morte de alguns milhares de chineses e suspensão de parte da atividade econômica do país por um tempo.

Mesmo que tenha sido apenas negligência, o Partido Comunista da China é responsável pelo caos que o mundo está vivendo.

Isso só acontece porque o PCC ainda existe, ainda controla aquele país com mão de ferro. A prioridade é o regime. Toda informação deve ser primeiro avaliada pelas autoridades. Verdades inconvenientes são descartadas. É uma ditadura.

O PCC só existe porque nunca houve um esforço internacional de combate ao comunismo, apesar dos males que esta ideologia vem promovendo há um século no mundo.

Essa tolerância fortaleceu o regime mais assassino da história ao ponto de eles aprenderem a converter o capitalismo em favor do comunismo. Enquanto a esquerda ocidental cobrava mais e mais regulações econômicas em seus países, os comunistas da China convidavam as maiores corporações capitalistas do mundo a levar suas fábricas para lá, onde a mão de obra era baratíssima e não há nem sindicatos, nem leis trabalhistas.

Os comunistas chineses descobriam a fórmula para se fortalecerem e, em pouco tempo, começar a ditar as regras do mundo e impor suas vontades. Graças ao livre mercado, centenas de milhões de chineses saíram da miséria e hoje desfrutam de um bom padrão de vida. No entanto, as liberdades civis continuam sob forte controle estatal. A censura política, cultural, intelectual e de imprensa é onipresente. Discordantes são presos. Adeptos de outras religiões são perseguidos.

Até aí, isso seria um problema apenas dos chineses. Porém, como sabemos, o comunismo é essencialmente uma ideologia imperialista internacional, sobretudo contra os direitos individuais.

Creio que não preciso me estender sobre o poder econômico da China. No Brasil, controlam desde usinas hidrelétricas a veículos de comunicação. Noutros textos, já falei sobre o avanço militar do país em áreas marítimas de sua região e a ameaça cada vez mais frequente de invasão de Taiwan. Porém, é preciso que se registre aqui o nível do poder que os comunistas chineses conseguiram sobre diversas organizações internacionais. O caso da Organização Mundial da Saúde não é apenas exemplar, mas obsceno e criminoso.

Por dois meses, a OMS teve informações do avanço do coronavírus na China e em seguida no mundo. Em vez de críticas e cobrança de responsabilidade, a OMS esforçou-se em elogiar a ditadura comunista, chegando ao ponto de recomendar insistentemente que o mundo não fechasse suas fronteiras para os chineses.

Enquanto o regime chinês omitia informações, perseguia médicos e jornalistas, distribuía a outros países kits de testes do vírus que davam resultados errados, a Organização Mundial da Saúde comportava-se como uma agência de propaganda da ditadura comunista.

Como é que pode acontecer uma coisa desse tipo em pleno século 21?
E não é só isso!

O poder econômico do Partido Comunista Chinês consegue ainda impor censura na maior parte da política e da imprensa ocidental. Governos que estão atolados em problemas provocados pela pandemia provocada pela China não se permitem fazer uma única crítica ao país. A grande maioria dos partidos do Brasil defendem a China. A imprensa não permite que se fale nada contra aquele regime. Taiwan – o país que melhor soube lidar com a pandemia – ainda não tem sua independência reconhecida pela grande maioria das nações por pressão da China.

Devemos nos lembrar que, há menos de um ano, países europeus, organizações internacionais e grande imprensa cobrava responsabilidade do governo brasileiro sobre as queimadas na Amazônia, argumentando que elas colocavam a saúde do mundo em risco! O PT pediu sanções econômicas contra o Brasil! O presidente francês propôs a internacionalização da região, ou seja, de 60% do território brasileiro! A imprensa brasileira deu voz a todos que quiserem acusar Jair Bolsonaro de estar cometendo um crime contra a humanidade. Hoje, não há uma fração dessa indignação contra os comunistas que permitiram ou estimularam a pandemia. Ninguém se refere a Xi Jinping como ditador.

O mundo não precisa apenas se unir para cobrar responsabilidade do governo chinês. Ele precisa se unir contra o comunismo. Não dá mais para ficarmos, em pleno século 21, assistindo a regimes como os de Cuba, da Coreia do Norte, da Venezuela e da China fazendo o que bem entendem, sem prestar contas e ninguém. Chega de ser tolerante com os intolerantes! O comunismo precisa ser criminalizado! Chega de anistias!

As verdadeiras democracias vão esperar que aconteça mais o que para agir?

Se a ditadura chinesa não for punida, muitos outros males serão feitos contra o mundo. Invadirão países vizinhos. Patrocinarão grupos terroristas e guerrilhas comunistas. Interferirão em eleições. Logo, ditarão as regras das relações internacionais e, não muito distante disso, as Constituições dos países.

A maior ameaça da China ao resto do mundo não é o coronavírus, mas seu modelo de regime, que conseguiu fazer do capitalismo a base para o totalitarismo.

Referências

Se gostarem, compartilhem e divulguem nosso jornal, as nossas páginas e/ou perfis nas redes sociais:

Facebook GAB Instagram LinkedIn Minds Parler Telegram Tumblr Twitter WhatsApp YouTube

Para aqueles que quiserem contribuir com o nosso modesto jornal, dispondo de algum capital para financiar-nos, cliquem no link abaixo e conheçam melhor o nosso projeto de mídia independente de jornalismo e informação.

Invista já no Arauto Brasileiro e fique sempre bem informado!

E não deixem de divulgar nossas redes sociais a outros amigos leitores e seguidores e para o maior número possível de pessoas, e sobre o nosso jornal online! Se inscrevam em nosso canal no YouTube, cliquem no sininho para continuarem a receber novidades sobre vídeos publicados no canal e curtam os vídeos para aumentar a nossa visibilidade e relevância na internet!

E sigam sempre as nossas publicações em nossas redes sociais oficiais!

Para aqueles que quiserem realizar denúncias, fazerem reclamações, elogios, sugestões, ou ainda, quaisquer outras solicitações ao nosso jornal, basta clicarem nos links abaixo, que lhes dará acesso aos respectivos formulários, contribuindo para melhorarmos ainda mais o nosso projeto de mídia independente.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação
Editor-Chefe
Autor(a): Editor-Chefe

Perfil institucional do Editor-Chefe d'O Arauto Brasileiro, o jornal da família tradicional brasileira, criado para ser o suporte informacional e de mídia do ativismo conservador brasileiro.