fbpx

O Arauto Brasileiro

O jornal da família tradicional brasileira

A “censura do bem”: jornalista que não pode ser criticado

5 min read
Quando a lacração do jornalismo patrulheiro SJW ultrapassa os limites do bom senso e resolve cobrar sinalização de virtude e o direito de ser intocável e inexpugnável...

por Rodrigo Constantino (Gazeta do Povo)

Já conhecemos o “ódio do bem”, aquela turma “paz e amor”, que exala tolerância e respeito à diversidade, mas que deseja esfregar a cara do presidente “fascista” num asfalto quente. Agora temos também a “censura do bem”.

Eis que vimos hoje uma jornalista avisar que entrou na Justiça para impedir outro jornalista de falar sobre ela! A “justificativa” é que ela estaria sendo alvo de um “stalker”, pois foi mencionada muitas vezes nos últimos meses pelo mesmo jornalista – no caso, eu.

Sem aguentar o calor, a jornalista pediu a seu advogado para me mandar uma notificação para que eu pare com o “assédio direcionado”. É isso, gente.

Um assédio! E ela termina com o vitimismo leviano de considerar que ameaças de rua, das quais foi alvo, teriam ligação com minhas… críticas!

Mas que coisa ridícula! Coisa de covarde! Então ela é “stalker” da família Bolsonaro, por acaso? Não pode colocar a lupa sobre jornalista, é isso? Só sobre o poder, nunca sobre o “quarto poder”? Não pode expor militância disfarçada de imparcialidade com base nos fatos? Essa velha imprensa é patética…

Sobre ataques chulos de bolsonaristas ou ameaças, nada tenho a ver com isso! Sou atacado pela mesma corja. Basta verificar. Sou um analista independente, critico e elogio coisas do governo, desmascaro fanáticos de todos os lados, da esquerda, da “direita” e do “centro”. Não tenho medo de patota corporativista ou seita ideológica. Sou apenas um indivíduo com coragem, e isso, pelo visto, incomoda.

O que essa militante de esquerda expõe é a aversão dessa gente à liberdade de expressão! São “tolerantes” até a página 2, da patota. Figura pública está na chuva para se molhar! Eu sou atacado por gado olavista e gado do MBL todo dia. Ameaçado também. E não vou chorar para ex-chefe ou advogado.

Mas vou aguardar a notificação do advogado, para lutar, com o meu, pelo meu direito, pela minha liberdade de expressão. Eu nunca fiz ataques pessoais ou aplaudi ataques a ela. Eu exponho a hipocrisia mesmo. Só isso. Mas pelo visto é muito.

Por fim, imaginem uma mulher dessas com o poder que tem um presidente, como Bolsonaro! O homem aguenta coisa muito pior da mídia todo dia, foi chamado de nazista, fascista, machista, xenófobo etc. Se ela fosse presidente, decretaria a censura à imprensa e às redes sociais?! Eu teria muito medo se alguém intolerante assim fosse a presidente. Ainda bem que é o Bolsonaro, mais tolerante com seus críticos…

Eu, praticamente sozinho, luto contra a patota corporativista da velha imprensa, contra a turma do “ninguém solta a mão de ninguém”, e eles não aguentam a pressão! Precisam “vencer” no tapetão, entrar com advogados no jogo. Que revelador sobre a real fragilidade dessa gente!

Flavio Gordon, colunista da Gazeta, resumiu bem a situação: “Que vergonha dessa gente. Eles acreditam mesmo na autoimagem cuidadosamente polida no seio da patota. Não aceitam que alguém possa vê- los como aquilo que são: uns bostas”.

Hoje vimos uma jornalista defender a “censura do bem”, sem qualquer outro jornalista da patota corporativista sair em defesa da liberdade de expressão. O Brasil cansa…

PS: Não mencionei o nome da jornalista não for por medo do seu advogado, pois no meu Twitter consta a informação, mas para não dar holofotes a ela mesmo. A moça conseguiu destruiu um tradicional programa de entrevistas, ao transforma-lo em pura militância antibolsonarista. O critério de convidados está cada vez mais escancarado: só é chamado quem detona o presidente!

Nota do Editor

Ao nosso ver, Rodrigo Constantino não nos contou nenhuma novidade. A questão é que agora, ele foi a bola da vez. Já abordamos por aqui em 3 matérias:

Não precisamos portanto nos debulhar em análises muito profundas a respeito do tema. O que precisamos é sim, ficarmos atentos porque a coisa daqui por diante vai piorar e muito. Nós temos avisado, e quem avisa, amigo é!

Se gostarem, compartilhem e divulguem nosso jornal, as nossas páginas e/ou perfis nas redes sociais:

Facebook GAB Instagram LinkedIn Minds Parler Telegram Tumblr Twitter WhatsApp YouTube

Para aqueles que quiserem contribuir com o nosso modesto jornal, dispondo de algum capital para financiar-nos, cliquem no link abaixo e conheçam melhor o nosso projeto de mídia independente de jornalismo e informação.

Invista já no Arauto Brasileiro e fique sempre bem informado!

E não deixem de divulgar nossas redes sociais a outros amigos leitores e seguidores e para o maior número possível de pessoas, e sobre o nosso jornal online! Se inscrevam em nosso canal no YouTube, cliquem no sininho para continuarem a receber novidades sobre vídeos publicados no canal e curtam os vídeos para aumentar a nossa visibilidade e relevância na internet!

E sigam sempre as nossas publicações em nossas redes sociais oficiais!

Para aqueles que quiserem realizar denúncias, fazerem reclamações, elogios, sugestões, ou ainda, quaisquer outras solicitações ao nosso jornal, basta clicarem nos links abaixo, que lhes dará acesso aos respectivos formulários, contribuindo para melhorarmos ainda mais o nosso projeto de mídia independente.

Editor-Chefe
Autor(a): Editor-Chefe

Perfil institucional do Editor-Chefe d'O Arauto Brasileiro, o jornal da família tradicional brasileira, criado para ser o suporte informacional e de mídia do ativismo conservador brasileiro.