fbpx

O Arauto Brasileiro

O jornal da família tradicional brasileira

O homem também pode ser vítima de relacionamento abusivo

3 min read
Para quem achar que esse texto se refere a vitimismo reverso, pode por "as barbas" de molho: mulheres que são mais agressivas e mais abusivas que os homens existem sim! E elas podem se proliferar, castrando os próprios filhos homens, substituindo uma boa educação moral pela supressão dos seus instintos masculinos, sob a argumentação da "cultura de não-violência" e do combate à "masculinidade tóxica".

Tenho uma notícia para você: relacionamentos abusivos também podem partir do lado feminino. Os homens nem sempre são os vilões.

Assim como existem homens canalhas, também há mulheres pilantras. A sociedade tem o hábito de romantizar mulher surtada, ciumenta e controladora. Se ela ameaça o homem com uma faca dizendo que ele não assistirá futebol ou o proíbe de ver os amigos, fazem memes, riem e debocham… Se o homem faz o mesmo com a sua companheira, correm para a delegacia da mulher ou para fazer textão na internet.

Muito além da violência física, tem também a psicológica. Cansei de ver mulheres espertinhas usando da condição de fragilidade de homens apaixonados para usá-los em seu benefício.

Já li livros e mais livros (as vezes escritos por homens) ensinando a mulher a como reconhecer um canalha, como se isso fosse exclusividade do mundo masculino.

previous arrow
next arrow
Slider

Lamento informar: mulher também sacaneia, mulher também é tóxica, mulher também é vilã.

É claro que diante das diferentes características físicas entre os sexos, é desproporcional uma agressão física partindo de uma mulher para um homem. Porém, na maioria das vezes, as mulheres usam de pressão psicológica, calúnia e difamação, que por muitos ainda são atitudes vistas como “brincadeira”.

Mulher também ameaça, ilude, também critica em vez de elogiar, também menospreza o companheiro até rebaixá-lo, também acaba com sua a autoestima.

Hoje, infelizmente, ninguém é vítima e todo mundo é vítima ao mesmo tempo. É a geração do desapego. Todos magoam, todo mundo tem vários contatinhos. E, no fim, todo mundo está sozinho. Cada um torcendo para mostrar que se importa menos.

Se gostarem, compartilhem e divulguem nosso jornal, as nossas páginas e/ou perfis nas redes sociais:

Facebook GAB Instagram LinkedIn Minds Parler Telegram Tumblr Twitter WhatsApp YouTube

Para aqueles que quiserem contribuir com o nosso modesto jornal, dispondo de algum capital para financiar-nos, cliquem no link abaixo e conheçam melhor o nosso projeto de mídia independente de jornalismo e informação.

Invista já no Arauto Brasileiro e fique sempre bem informado!

E não deixem de divulgar nossas redes sociais a outros amigos leitores e seguidores e para o maior número possível de pessoas, e sobre o nosso jornal online! Se inscrevam em nosso canal no YouTube, cliquem no sininho para continuarem a receber novidades sobre vídeos publicados no canal e curtam os vídeos para aumentar a nossa visibilidade e relevância na internet!

E sigam sempre as nossas publicações em nossas redes sociais oficiais!

Para aqueles que quiserem realizar denúncias, fazerem reclamações, elogios, sugestões, ou ainda, quaisquer outras solicitações ao nosso jornal, basta clicarem nos links abaixo, que lhes dará acesso aos respectivos formulários, contribuindo para melhorarmos ainda mais o nosso projeto de mídia independente.

Jenifer Castilho
Autor(a): Jenifer Castilho

Escritora e pedagoga. Resenhista, blogueira e YouTuber. Analista política, Conservadora Cristã, Anti-feminista e Ativista digital em redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.