fbpx

O Arauto Brasileiro

O jornal da família tradicional brasileira

“Senador DPVAT” quer convocar Facebook e Youtube na CPI da Pandemia

O senador Randolfe Rodrigues, vice-presidente da CPI da Covid, declarou nessa sexta-feira (18) que vai protocolar um requerimento para convocar representantes do Facebook e do Youtube para comparecer à CPI.

A convocação será para que as Big Techs expliquem o fato de o presidente Jair Bolsonaro continuar transmitindo lives com supostas “notícias falsas” em suas redes sociais.

O vice-presidente da comissão também alegou que o ex-presidente Donald Trump foi censurado pelo Twitter “por muito menos”, o que, na opinião dele, justificaria a censura imediata do presidente brasileiro.

Segundo Randolfe, o pedido acontece após Bolsonaro dizer na live presidencial de quinta-feira (17) que “se contaminar pelo vírus é mais eficaz que a vacina”.

O senador alegou:

O senhor presidente da República pode falar a besteira que quiser, ele só não tem o direito de produzir o aumento desses números [de mortes].

E ele disse ainda:

Diante disso, quero comunicar que estou protocolando agora requerimento de convocação das plataformas do Facebook e do Youtube a essa Comissão Parlamentar de Inquérito. E peço que pautemos para votar [o pedido] na terça-feira.

No entanto, o estudo científico da Cleveland Clinic nos EUA aponta justamente o contrário do afirmado por Randolfe.

O centro médico de pesquisas Cleveland Clinic, em um estudo divulgado no último dia 5 de junho, apontou que quem já foi infectado pelo vírus chinês não precisa ser vacinado.

Assim afirma o estudo:

É improvável que indivíduos previamente infectados com Sars-Cov-2 sejam reinfectados pela Covid-19, independentemente de receber vacinas ou não.

Corroborando o posicionamento de Randolfe, o senador Omar Aziz, presidente da CPI, se mostrou indignado com a fala de Bolsonaro nas redes sociais e declarou que vai cancelar um dos depoimentos para dar o encaminhamento a essa convocação das Big Techs.

Ao comentar o caso durante o Boletim da Manhã de sexta-feira (18), o analista político Italo Lorenzon disse que o problema do senador Randolfe é que “ele quer, na verdade, que Facebook e YouTube façam com Bolsonaro o que fizeram com Trump. É isso o que ele quer”.

Italo Lorenzon ainda concluiu:

Mas ele esquece que no Brasil já existe legislação que proíbe esse tipo de coisa. Está inclusive no Marco Civil da Internet.

Assista aos comentários da notícia:

Reproduzir vídeo

Se gostarem, compartilhem e divulguem nosso jornal, as nossas páginas e/ou perfis nas redes sociais:

Facebook Gab Gettr Instagram LinkedIn Minds Parler Telegram Tumblr Twitter WhatsApp YouTube

Para aqueles que quiserem contribuir com o nosso modesto jornal, dispondo de algum capital para financiar-nos, escaneiem nosso QR Code abaixo e financiem pelo PIX o nosso projeto de mídia independente de jornalismo conservador e de boa informação cultural.

Invista já no Arauto Brasileiro e fique sempre bem informado!

E não deixem de divulgar nossas redes sociais a outros amigos leitores e seguidores e para o maior número possível de pessoas, e sobre o nosso jornal online! Se inscrevam em nosso canal no YouTube, cliquem no sininho para continuarem a receber novidades sobre vídeos publicados no canal e curtam os vídeos para aumentar a nossa visibilidade e relevância na internet!

Para aqueles que quiserem realizar denúncias, fazerem reclamações, elogios, sugestões, ou ainda, quaisquer outras solicitações ao nosso jornal, basta clicarem nos links abaixo, que lhes dará acesso aos respectivos formulários, contribuindo para melhorarmos ainda mais o nosso projeto de mídia independente.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação
Roberto Mayrink
Autor(a): Roberto Mayrink

Engenheiro, escritor e pesquisador autodidata. Criador de vários websites. Analista político. Conservador e monarquista. Estudioso de História, Genealogia, Heráldica e outras ciências relacionadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.